Início > Esporotricose

Esporotricose

Humanos e gatos são vítimas desta doença provocada por fungo

Se você é baiano, então certamente já deve ter ouvido falar nos últimos dias sobre o surto de esporotricose que vem atingindo a Estado, principalmente em Camaçari, Região Metropolitana de Salvador. Dados revelam que, desde 2015, mais de 240 casos em pessoas foram notificados no município. A doença é uma micose cutânea profunda provocada pelo fungo da espécie Sporothrix schenckii. Ele é comumente encontrado no solo, em madeiras e plantas, podendo infectar diversos mamíferos terrestres, a exemplo dos gatos, além de humanos. Dentre os sintomas nos bichanos, destacam-se, principalmente, as lesões ulcerativas (feridas), aumento de volume da face, além de vômito, febre e diarreia.

A maior parte da transmissão acontece por meio da pele. Se o humano tiver uma ferida, por exemplo, pode ser uma grande porta de entrada para o fungo se alojar no organismo. Em relação aos bichanos, que também são vítimas e têm a pele muito sensível, podem contrair a doença ao afiar as unhas em árvores, enterrar as fezes e urinas na terra ou ao se lamber durante a auto-higiene. Vale destacar que, se o felino tiver contaminado e, durante uma brincadeira fizer um arranhão, pode ser o suficiente para a contaminação no humano.

Em relação à reprodução do fungo, lugares quentinhos e úmidos são os preferidos. Portanto, a melhor forma de prevenção é manter o ambiente limpo, arejado, especialmente a caixinha de areia do seu gato. O tratamento baseia-se em medicamentos orais antifúngicos, que geralmente são tomados por tempo prolongado, sem interrupção, às vezes por mais de um ano. A boa notícia é que a esporotricose tem cura, se for diagnosticada de forma precoce. Caso não seja, a doença pode levar o animal à morte, uma vez que o fungo pode se disseminar pelo sangue e atingir órgãos internos como fígado e pulmão. A dica é encaminhar o felino a um médico veterinário de confiança, já no surgimento dos primeiros sintomas. Somente esse profissional é capaz de diagnosticar, através da realização de alguns exames, se realmente a lesão tem como causa uma infecção pelo fungo. Aqui na Semeve temos especialista no assunto!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *